Corinna, 42

big-art

Corinna, 42

Lutei contra a depressão durante mais de dois terços da minha vida. Pense nisso. A maior parte da minha vida foi passada a lutar contra os meus demónios e a convencer-me a ficar, a continuar a lutar.

"Não tens aspeto de suicida". Lembro-me destas palavras proferidas por uma conselheira escolar depois de lhe ter dito que estava a ter pensamentos suicidas. Lembro-me de me sentir envergonhada e confusa aos 14 anos. Como é que era suposto eu ser? Frágil com um frasco de comprimidos numa mão e um bilhete de suicídio na outra?

Só me foi diagnosticado aos 25 anos de idade. Quando o meu filho nasceu, a minha depressão pós-parto e a depressão diária fundiram-se e isso foi quase o meu fim. Foi sempre o meu sonho, ser uma mãe feliz em casa, e apesar disso sentia-me cada vez pior a cada dia que passava. Perdi peso e desenvolvi insónias graves.

Precisei de toda a minha energia para cuidar do meu bebé, mesmo que não conseguisse fazer muito mais do que as minhas obrigações de mãe. No entanto, o meu filho salvou-me a vida. Ele é a razão pela qual me levanto todos os dias. Prefiro que ele me veja combater os meus demónios do que pense que a mais pequena fração da minha dor tenha sido causada por ele.

Há um ano e meio decidi deixar de tomar os meus antidepressivos. Sentia que estava a voltar ao ponto onde estivera antes. Havia dias em que quase me convencia de que o meu filho e a minha família estariam melhor sem mim.

Por isso voltei à terapia e, depois de falar sobre o assunto, concordei em voltar a tomar a minha medicação. Uma parte de mim sente como se tivesse falhado. Mas eu sei que não é verdade. Estou a fazer o que é melhor para mim, e para a minha família. No entanto, a melhor parte é que já não me sentia assim tão bem há muito tempo.

Quero continuar a trabalhar em mim mesma para poder eventualmente parar de tomar a minha medicação. Mas até lá, tenho que fazer o que for preciso fazer. Com a minha terapia, passear o cão, fazer bolos, e os meus fantásticos amigos e família, sei que vou ficar bem.

Bibliografia

WebMD. How to tell if your treatment is working. Disponível em: https://www.webmd.com/skin-problems-and-treatments/psoriasis/features/treatment-effective#1 Acedido em junho de 2020.
WebMD. Tracking your psoriasis outbreaks. Disponível em: https://www.webmd.com/skin-problems-and-treatments/psoriasis/flare-ups Acedido em junho de 2020.
NHS. Psoriasis: symptoms. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/psoriasis/symptoms/ Acedido em junho de 2020.
Walsh JA, et al. Psoriasis (Auckl). 2018; 8: 65–74.
Reich A, et al. Acta Derm Venereol 2010;90:257-63.