Doença Inflamatória do Intestino (DII)

Doença Inflamatória do Intestino (DII)

A Doença Inflamatória Intestinal (DII) é um grupo de patologias inflamatórias crónicas do trato gastrointestinal. Apesar de ser, por vezes, confundida com o Síndrome do Intestino Irritável (SII) ou com a Doença Celíaca, não são a mesma coisa. Embora estas doenças possam ter sintomas semelhantes, o que define a Doença Inflamatória Intestinal (DII) é a inflamação, um sinal que a distingue da SII. Já a Doença Celíaca é uma doença autoimune do intestino, causada por uma sensibilidade permanente ao glúten, um composto que pode ser encontrado no trigo e em grãos similares, obrigando os doentes celíacos a adotarem uma alimentação isenta de glúten.[1]

O que é Doença Inflamatória do Intestino (DII)?

A Doença Inflamatória Intestinal (DII) é o nome atribuído às doenças inflamatórias crónicas do trato gastrointestinal (TI).

O trato gastrointestinal (TI) diz respeito aos órgãos envolvidos no sistema digestivo. O TI digere, absorve e elimina tudo o que é ingerido pelo ser humano.

A Doença de Crohn (DC) e a colite ulcerosa (CU) são as formas mais comuns de DII.[2]



Doença de Crohn[3]

  • A inflamação pode afetar qualquer parte ou todo o trato gastrointestinal
  • A inflamação intestinal é descontínua, ou seja, o intestino apresenta áreas inflamadas contíguas a outras áreas do órgão saudável
  • A inflamação afeta todas as camadas da parede do intestino

Colite Ulcerosa[3]

  • A inflamação ocorre no intestino grosso e reto
  • As áreas inflamadas são contínuas (não irregulares)
  • A inflamação afeta apenas o revestimento interno da parede do intestino, a mucosa

Embora as causas da Doença Inflamatória Intestinal não sejam totalmente conhecidas, existem vários fatores que podem estar na sua origem: causas genéticas, ambientais ou desequilíbrio da microbiota intestinal, provocando uma resposta inflamatória por parte do sistema imunitário.[4]

Ainda que o sistema imunitário seja responsável por combater doenças, em determinadas situações pode desencadear uma reação imunitária exagerada, causando inflamação.[1] Na Doença Inflamatória Intestinal (DII), o sistema imunitário vê qualquer alimento, bactéria ou outros agentes como perigosos, ativando as células de defesa do intestino pensando que está a ajudar, quando está na verdade a causar lesão no intestino.

Doença Inflamatória Intestinal: sintomas

A Doença Inflamatória Intestinal afeta as pessoas de diferentes formas. Os sintomas variam dependendo da parte do sistema digestivo que está inflamada.[3] No entanto, os sintomas da doença de Crohn e da colite ulcerosa são semelhantes e podem ser:[5]

  • Movimentos intestinais e/ou diarreias frequentes
  • Sangue nas fezes
  • Dor abdominal/cólicas
  • Inchaço em diferentes partes do trato gastrointestinal
  • Perda de peso involuntária
  • Cansaço persistente e extremo
  • Hiperperistaltismo (aumento dos movimentos e ruídos intestinais)
  • Anemia
  • Febre
  • Úlceras na boca

Qual a prevalência da Doença Inflamatória Intestinal?

A Doença Inflamatória Intestinal (DII) aparenta afetar homens e mulheres em igual proporção, e parece ser mais comum em pessoas com antecedentes familiares da doença.[3] Apesar de não existirem dados oficiais em Portugal, as estimativas com base em estudos nacionais apontam para uma prevalência de cerca de 25 mil casos de Doença Inflamatória Intestinal em território nacional.[6] Dados de 2007 estimavam uma prevalência de 71 casos por cada 100 mil habitantes para a Colite Ulcerosa e 73 casos por cada 100 mil habitantes para a Doença de Crohn.[7]

A Doença Inflamatória Intestinal (DII) costuma ser diagnosticada entre os 15 e os 35 anos, embora possa surgir em qualquer altura da vida.[2] Por outro lado, os fumadores são mais suscetíveis de ser afetados pela Doença de Crohn e fumar pode agravar os sintomas.[2]

Como se diagnostica e como se trata a Doença Inflamatória Intestinal?

O diagnóstico da Doença Inflamatória Intestinal pode ser feito através da combinação de endoscopia (para Doença de Crohn) ou colonoscopia (para a Colite Ulcerosa) e estudos de imagem. Em ambos os procedimentos, o médico usará um tubo flexível com uma câmara acoplada para examinar o interior do trato digestivo em busca de eventuais sinais de Doença Inflamatória Intestinal. No caso da colonoscopia, o médico especialista usa um aparelho endoscópico chamado colonoscópio para observar o reto e cólon.[8] O médico pode ainda pedir uma análise a amostras de fezes para descartar uma eventual infeção, bem como análises de sangue que podem ser úteis para corroborar o diagnóstico.

As opções de tratamento são semelhantes para a Colite Ulcerosa e para a Doença de Crohn. A Doença Inflamatória Intestinal ainda não tem cura, mas, quando é tratada, os seus sintomas podem ser atenuados. Em casos de doença ligeira, os doentes podem conseguir controlar os sintomas da doença através de uma dieta adequada e de um estilo de vida saudável. Para casos crónicos ou prolongados, pode ser recomendada terapêutica farmacológica, como por exemplo imunossupressores.

A Doença Inflamatória Intestinal grave pode requerer intervenção cirúrgica para remover partes do trato gastrointestinal envolvidas pela doença inflamatória, mas, graças aos avanços terapêuticos, hoje em dia a cirurgia é um procedimento menos utilizado.9 Por outro lado, a Doença de Crohn e a Colite Ulcerosa afetam diferentes partes do tubo digestivo e, por isso, os procedimentos cirúrgicos usados são diferentes para cada uma das doenças.[1]

Viver com Doença Inflamatória Intestinal (DII)

Uma pessoa com DII pode ter uma vida normal, mas terá que fazer alguns ajustes para promover uma adaptação mais fácil à doença.

Ajustar a dieta é um dos primeiros passos, sendo necessário estar atento para descobrir que alimentos dão origem a crises e, por conseguinte, devem ser evitados. É importante evitar alimentos que causem flatulência, comer quantidades moderadas de fibra e optar por refeições mais pequenas.10

Por outro lado, deverá estar atento à comida que ingere para que, no caso de ter uma crise, saber identificar os alimentos que podem estar na origem desses sintomas. O tipo de alimentos que pode irritar o tubo digestivo varia de pessoa para pessoa. Esse processo de identificação leva tempo, por isso pode ser útil ter um diário para registar os seus hábitos alimentares.

Se fizer sentido para si, informe a sua entidade patronal ou a escola que frequenta sobre o seu diagnóstico, para que a realidade à sua volta possa ser ajustada às suas necessidades e permita a sua progressão na carreira ou ensino. Se frequentar uma escola, por exemplo, poderá necessitar de mais tempo para terminar exames para poder ir à casa de banho. No caso de estar a trabalhar numa empresa, ficar em casa pode ser útil em situações de fadiga associada à DII.

Falar sobre a Doença Inflamatória Intestinal com o(a) seu(sua) parceiro(a) pode ser difícil, mas é essencial para um relacionamento bem-sucedido. A sua cara-metade deve estar ciente das suas limitações e de eventuais fatores de stress.

Um dos sintomas mais comuns da Doença Inflamatória Intestinal é a fadiga. É essencial descansar o suficiente e ter um sono reparador. Sendo o cansaço um sintoma invisível, deve explicar a familiares e amigos como se sente. Por vezes, será necessário sair mais cedo de reuniões ou recusar alguns convites. Ao longo do tempo, aprenderá a lidar com os seus níveis de tolerância e, eventualmente, tornar-se-á um especialista na gestão do seu tempo.

Perguntas para fazer ao médico sobre DII

A lista em baixo inclui exemplos de perguntas para ajudar a iniciar uma conversa com o seu médico. Podem surgir outras questões relevantes com base nos sintomas, estadio e historial clínico que não estejam aqui listadas.

  • Há outra causa para a além da DII que possa estar na origem dos meus sintomas?
  • Como saber se a minha medicação precisa de ser ajustada?
  • Após iniciar o tratamento, quanto tempo demorarei a obter resultados, ou descobrir que este pode não ser o medicamento certo para mim?
  • Se a medicação não resultar, que outros tratamentos estão disponíveis para o meu caso?
  • Quais são os possíveis efeitos secundários da minha terapêutica?
  • Que sintomas me devem alertar que devo deslocar-me às urgências hospitalares?
  • Devo ajustar a minha alimentação ou tomar algum suplemento alimentar? Se sim, pode recomendar-me um nutricionista ou um suplemento alimentar?
  • Posso vir a precisar de cirurgia?
  • Devo fazer alguma alteração ao meu estilo de vida para potenciar o meu tratamento?
  • Qual será o meu estado de saúde quando for mais velho(a)?
  • A DII afeta a gravidez ou a possibilidade de engravidar?
  • ...

Janssen & DII

Na Janssen, sempre fomos pioneiros em investigação científica inovadora, procurando formas mais eficazes de transformar o curso das doenças imunomediadas, como a Doença Inflamatória Intestinal, de forma a apaziguar a batalha interna experienciada pelos doentes.

Os nossos avanços tecnológicos mudaram a vida de milhões de pessoas em todo o mundo.

No futuro, queremos trazer opções terapêuticas mais eficazes para pessoas em estadios iniciais e ligeiros das doenças imunomediadas, mas também para quem sofre de formas mais graves deste tipo de doenças ou que ficou sem opções de tratamento.

O nosso objetivo é restaurar o equilíbrio das células de defesa do organismo através de um leque de terapêuticas inovadoras que afinem os travões ou bloqueiem os aceleradores do sistema imunitário. Futuramente, pretendemos usar essas abordagens farmacológicas para fornecer aos doentes resultados ainda melhores.

Não descansaremos até garantir que as doenças imunomediadas são uma coisa do passado.

Glossário

  • Trato gastrointestinal: conjunto de todos os órgãos do aparelho digestivo, que vão da boca ao ânus, incluindo esófago, estômago, intestino delgado, intestino grosso, ânus, entre outros.
  • Endoscopia: procedimento em que um tubo flexível é inserido no corpo para dar uma visão do interior do organismo.
  • Colonoscopia: um procedimento médico em que um instrumento de fibra ótica flexível é inserido no corpo através do ânus com o intuito de examinar o cólon.
  • Estudos de imagem: exames que utilizam várias técnicas de imagem para visualizar as estruturas internas do organismo.
  • Sistema imunitário: conjunto de células e proteínas que defende o corpo contra infeções.
  • Inflamação: condição em que uma parte do corpo fica avermelhada, inchada, quente e por vezes dorida, em resposta a uma lesão ou infeção.
  • Remissão: diminuição da gravidade ou intensidade da doença ou dor; recuperação temporária.

Associações de Doentes

Este website foi desenvolvido pela Janssen Pharmaceutica NV. As Associações de Doentes e as fontes listadas em baixo são meios de informação adicional e independentes que lhe podem ser úteis. Os mesmos não estiveram envolvidos na criação deste website, nem têm qualquer responsabilidade em relação aos seus conteúdos.

APDI – Associação Portuguesa da Doença Inflamatória do Intestino

Site

e-mail

Facebook

Instagram

Youtube

LinkedIn

Contactos:

+351932086350

+351222086350

ACCP – Associação Crohn Colite Portugal

Site

Facebook

Instagram

LinkedIn

Contacto: +351914625963

It Takes Guts

A doença de Crohn e a colite ulcerosa são doenças invisíveis e, por causa do estigma à sua volta, milhares de pessoas sofrem em silêncio. É hora de falar e quebrar esse ciclo. Encontre as ferramentas de que precisa para abordar a doença inflamatória intestinal.

EFCCA

A Federação Europeia de Associações da Doença de Crohn e Colite Ulcerose (EFCCA) é uma organização que representa 39 associações nacionais de pacientes com as doenças referidas e conhecidas globalmente como DII. Estas organizações estão unidas pelo compromisso de melhorar a vida de mais de 10 milhões de pessoas que vivem com DII em todo o mundo (3,4 milhões só na Europa). O objetivo é dar-lhes voz e visibilidade.

Bibliografia

National Psoriasis Foundation. About psoriatic arthritis. Disponível em: https://www.psoriasis.org/about-psoriatic-arthritis Acedido em junho de 2020.
NHS. Psoriatic arthritis. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/psoriatic-arthritis/ Acedido em junho de 2020.
PAPAA. Psoriasis: a simple explanation. Disponível em: https://www.papaa.org/learn-about-psoriasis-and-psoriatic-arthritis/common-questions/psoriasis-a-simple-explanation/ Acedido em junho de 2020.
Coates LC and Helliwell PS. Clin Med 2017: 17(1):65-70.
Arthritis Foundation. Psoriatic arthritis. Disponível em: https://www.arthritis.org/diseases/psoriatic-arthritis Acedido em junho de 2020.
NHS. Psoriatic arthritis. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/psoriatic-arthritis/ Acedido em junho de 2020.
WebMD. The emotional effects of psoriatic arthritis. Disponível em: https://www.webmd.com/arthritis/psoriatic-arthritis/the-emotional-toll-of-psoriatic-arthritis Acedido em junho de 2020.
WebMD. Psoriatic arthritis. Disponível em: https://www.webmd.com/arthritis/psoriatic-arthritis/psoriatic-arthritis-the-basics Acedido em junho de 2020.
Logo Janssen | Pharmaceutical Companies of Johnson & Johnson