Cancro da Próstata

Cancro da Próstata

Apesar do Cancro da Próstata ser um dos tipos de tumor maligno mais comum em homens, representando 25% de todos os novos casos de cancro diagnosticados na região europeia no sexo masculino, apenas 48% dos homens estão cientes do risco desta doença e da importância da sua deteção precoce. Além disso, a natureza da doença e os possíveis efeitos indesejáveis dos tratamentos podem levar alguns doentes a evitar falar sobre a patologia com familiares, amigos ou profissionais de saúde. É crucial aumentar a consciencialização para os sintomas do Cancro da Próstata e garantir que mais homens têm acesso a um diagnóstico precoce, o que pode ter um impacto bastante positivo na evolução da doença.

O que é o Cancro da Próstata?

A próstata é uma glândula aproximadamente do tamanho de uma noz – embora geralmente maior em homens mais velhos – localizada entre o pénis e a bexiga.[5] A próstata é, entre outras funções, responsável pela produção de sémen.

O Cancro da Próstata surge quando células da próstata sofrem uma mutação e começam a crescer de forma descontrolada. Às vezes, as células cancerígenas podem deixar a próstata e disseminar-se para outras regiões do corpo. Existem diferentes tipos de Cancro da Próstata:

Cancro da Próstata Localizado

O crescimento do tumor está confinado à próstata, não se tendo disseminado para outras partes do corpo. A velocidade do seu crescimento e disseminação pode variar de pessoa para pessoa.

Cancro da Próstata Localmente Avançado

O cancro estendeu-se além da próstata para a(s) área(s) circundante(s).

Cancro da Próstata Metastático

O tumor espalhou-se para outras partes do corpo.

Qual a incidência do Cancro da Próstata?

O Cancro da Próstata é o tipo de cancro mais comum em homens, representando 25% dos novos casos de tumores malignos diagnosticados no sexo masculino. Todos os anos, aproximadamente 450.000 homens são diagnosticados com Cancro da Próstata na Europa e mais de dois milhões de europeus vivem com a doença.

Infelizmente, as causas do Cancro da Próstata ainda não são claras , mas foram identificados alguns fatores de risco associados à doença:

  • Idade: O risco de desenvolver Cancro da Próstata aumenta com a idade. A idade média no momento do diagnóstico é de 69 anos.
  • Origem étnica: O Cancro da Próstata é mais comum em afrodescendentes.
  • História familiar: Ter casos desta doença na família parece aumentar o risco de a desenvolver.

Embora a ligação entre a obesidade e o desenvolvimento do Cancro da Próstata permaneça incerta, estudos robustos descobriram que a obesidade pode ter um impacto importante na progressão da doença. Assim, homens com excesso de peso são mais propensos a apresentar formas agressivas da doença.

Cancro da Próstata: sintomas

Na maioria das vezes, o Cancro da Próstata é assintomático, sendo muitas vezes referido como uma “doença silenciosa”, o que significa que não tem sintomas específicos. Dores nas costas ocasionais e uma necessidade aumentada e muitas vezes súbita de urinar são sinais comuns desta doença, mas também recorrentes em idades mais avançadas. No entanto, quando a dor persiste e o ato de urinar se torna cada vez mais desconfortável, podemos não estar a falar apenas de uma questão de envelhecimento.

Sintomas urinários como a necessidade constante e repentina de urinar, dificuldade em urinar, fluxo fraco e a sensação de que a sua bexiga não se esvaziou adequadamente são indicadores precoces de Cancro da Próstata, embora também possam ser indicativos de outras doenças como hiperplasia benigna da próstata ou prostatite.

Em fases mais avançadas do Cancro da Próstata, podem surgir outros sintomas, podendo significar que o tumor se disseminou para outras partes do corpo. Estes sintomas podem ser:

  • Dor na região lombar, no quadril ou pélvis;
  • Sangue na urina ou sémen;
  • Dificuldade em manter a ereção;
  • Perda de peso inexplicável.

As causas do Cancro da Próstata são ainda parcialmente desconhecidas. É importante marcar uma consulta com o seu médico se apresentar algum dos sintomas acima mencionados. O diagnóstico precoce de Cancro da Próstata aumenta as hipóteses de sucesso do tratamento.

Como se diagnostica o Cancro da Próstata?

Existem diferentes ferramentas para o diagnóstico do Cancro da Próstata, sendo as mais comuns:

  • Toque retal ou exame retal digital: O médico avalia digitalmente a próstata através do reto, em busca de possíveis alterações;
  • Antigénio Específico da Próstata (PSA): Exame de sangue que deteta o nível de PSA, uma proteína produzida pela próstata e cujos valores podem ser indicativos de doença;
  • Classificação de Gleason: Escala que indica a agressividade do Cancro da Próstata; um valor elevado significa que o tumor é mais agressivo e mais propenso a disseminar-se;
  • Biópsia da próstata: Recolha de uma pequena amostra de tecido da próstata para exame;
  • Outros exames complementares de diagnóstico: Ressonância magnética (RM), tomografia axial computadorizada (TAC) ou tomografia por emissão de positrões (PET), para saber o tamanho exato do tumor e a sua possível disseminação.

Estes são os diferentes estadios do Cancro da Próstata:

Estadio I

Estadio II

Estadios II e III

Estadio IV

Estadio I

O tumor está localizado na próstata e geralmente não é sentido através do toque retal.

Estadio II

O tumor ainda está dentro da próstata, mas pode ser sentido através do toque retal.

Estadios II e III

O tumor começou a espalhar-se da próstata para tecidos adjacentes.

Estadio IV

O tumor espalhou-se para outras áreas do corpo, como bexiga, reto ou ossos. Este é o tipo de Cancro da Próstata avançado.


Cuidados e tratamento para o Cancro da Próstata

Existem várias opções de tratamento para o Cancro da Próstata e, muitas vezes, cabe ao doente decidir qual seguir. Se o tumor for assintomático e de baixo risco, o tratamento pode causar mais danos do que benefícios. Em alguns casos, a vigilância ativa poderá ser a opção mais aconselhada, o que requer a realização de exames médicos regulares. Se com o passar do tempo esses exames apresentarem alterações significativas, o médico pode propor-lhe iniciar um tratamento específico.

Quando se é diagnosticado com Cancro da Próstata Localmente Avançado, o tratamento dependerá da sua situação individual. O seu médico irá propor um plano adequado com base na sua idade, saúde e estadio de doença.

Normalmente, as abordagens de tratamento18 para o Cancro da Próstata são:

  • Vigilância ativa: Neste caso, não serão usados medicamentos quimioterápicos, radioterapia ou cirurgia. Serão recomendados testes periódicos para controlar a eventual progressão do tumor. Esta abordagem pode ser a mais adequada quando o tumor é pequeno, de crescimento lento, está circunscrito a uma região e não causa sintomas;19
  • Cirurgia: Eliminação do tumor através da remoção da próstata;
  • Radioterapia: Tratamento focal, com radiação ionizante, para matar células cancerígenas;
  • Terapia hormonal: Impede as células cancerígenas de obter hormonas para crescer;
  • Quimioterapia: Uso de fármacos específicos para destruir células cancerígenas. Estes medicamentos podem ser administrados oralmente, de forma intravenosa, ou ambos.

Tal como acontece em qualquer terapêutica, o tratamento do Cancro da Próstata pode causar efeitos indesejáveis e por isso é importante discutir as opções existentes com a sua equipa médica.[17] Seja o mais honesto possível e aborde todas as suas preocupações para tomar uma decisão que atenda às suas necessidades terapêuticas.18

Se tiver Cancro da Próstata metastático, o seu médico poderá aconselhá-lo a aderir a um protocolo de tratamento para ajudar a controlar e aliviar os seus sintomas.

Viver com Cancro da Próstata


Ser diagnosticado com cancro pode ser uma experiência angustiante, com impacto no dia-a-dia, no trabalho e nos seus relacionamentos.20 É normal sentir medo, incerteza e até raiva. O autocuidado é necessário, para si e para as pessoas que lhe são próximas. Seja honesto. Partilhe os seus sentimentos e deixe que as pessoas que o rodeiam saibam das suas necessidades.20

Grande parte dos homens diagnosticados com Cancro da Próstata consegue ter um dia-a-dia quase normal, embora o medo da progressão da doença possa causar preocupação. Se tiver uma forma mais agressiva deste tipo de tumor maligno, pode ter dificuldades em prosseguir com a sua rotina normal; os tratamentos também podem causar-lhe cansaço e indisposição momentânea.20

É importante concentrar-se na sua situação específica e no que lhe oferecerá a melhor qualidade de vida. Lembre-se: não está sozinho e pode perguntar ao seu médico quais as associações de doentes e serviços sociais ao seu dispor. Uma nutrição saudável e uma rotina de exercícios adequada à sua situação pessoal podem ajudá-lo a controlar os efeitos indesejáveis e a manter-se bem disposto.21

Perguntas para fazer ao médico sobre Cancro da Próstata

A lista abaixo inclui exemplos de perguntas para o ajudar a iniciar uma conversa com o seu médico. Podem surgir outras questões relevantes com base nos seus sintomas, estadio do Cancro da Próstata ou historial clínico que não estejam aqui listadas.

  • De que testes de diagnóstico de Cancro da Próstata preciso?
  • Como e quando obterei os resultados? Quem me explicará os resultados?
  • Quão avançada está a minha doença e o que posso esperar?
  • Quais são as opções de tratamento para o Cancro da Próstata? Quanto tempo tenho para decidir?
  • Quais são os possíveis efeitos indesejáveis dos tratamentos?
  • O que acontece se o tratamento não funcionar?
  • Como isso afetará a minha rotina diária?
  • Que sintomas ou efeitos indesejáveis me devem fazer procurá-lo?
  • Há algum ensaio clínico em que eu possa participar?
  • Posso ser encaminhado para grupos de apoio a doentes?

Janssen & Cancro da Próstata

Na Janssen, dedicamo-nos à procura de soluções para as necessidades mais urgentes nesta área da medicina. Para isso, introduzimos abordagens pioneiras que visam tornar o cancro uma doença tratável e, em última análise, curável.22

Esforçamo-nos nessa missão e comemoramos as pequenas vitórias alcançadas. Estamos comprometidos com o aumento da consciencialização para esta doença e pretendemos envolver cada vez mais pessoas na discussão pública sobre o Cancro da Próstata. A deteção precoce e eficaz é a chave para reduzir a taxa de mortalidade associada a este tumor maligno.23

Glossário

  • Classificação de Gleason: Escala usada para categorizar o Cancro da Próstata.24
  • Hematúria: Presença de sangue na urina.25
  • Prostatectomia: Remoção parcial ou completa da próstata e de parte do tecido circundante.26
  • Metastático: Quando o tumor se espalhou para outras partes do corpo.

Associações de Doentes

Este website foi desenvolvido exclusivamente pela Janssen Pharmaceutica NV. As Associações de Doentes e as fontes listadas em baixo são meios de informação adicional e independente que lhe podem ser úteis. Os mesmos não estiveram envolvidos na criação deste website, nem têm qualquer responsabilidade em relação aos seus conteúdos.

APDP – Associação Portuguesa de Doentes da Próstata
Site

Facebook

Email

Contacto: Dias úteis das 16h00 às 18h00, ligue +351918075035

Europa Uomo

Um movimento europeu de defesa dos homens com Cancro da Próstata.

Prostate Cancer Units Network

A Prostate Cancer Units Network é uma rede internacional de unidades clínicas dedicadas ao diagnóstico e tratamento do Cancro da Próstata.

#EUCanBeatCancer

#EuCanBeatCancer é uma campanha iniciada pelo Grupo PPE do Parlamento Europeu que pretende uma melhor cooperação entre os centros de investigação europeus e garantir que os mesmos cuidados de qualidade estão disponíveis em toda a Europa.

Bibliografia

Abbasi, M. R., Sparano, J. A., Talavera, F., Besa, E. C., 2019. What is the prevalence of mantle cell lymphoma (MCL)? (Internet). Medscape. Disponível em: https://www.medscape.com/answers/203085-173653/what-is-the-prevalence-of-mantle-cell-lymphoma-mcl
Lymphoma and the lymphatic system (Internet). Macmillan Cancer Support. Disponível em: https://www.macmillan.org.uk/cancer-information-and-support/lymphoma/lymphoma-and-the-lymphatic-system
Mantle cell lymphoma (Internet). Cancer Research UK, 2020. Disponível em: https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/non-hodgkin-lymphoma/types/mantle-cell
Non-Hodgkin lymphoma (Internet). NHS, 2018. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/non-hodgkin-lymphoma/
Lymphoma and the immune system (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-what-lymphoma-immune-system/lymphoma-and-immune-system
Mantle cell lymphoma (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/types-lymphoma-non-hodgkin-lymphoma/mantle-cell-lymphoma
Lymph Nodes and Cancer (Internet). American Cancer Society, 2021. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/cancer-basics/lymph-nodes-and-cancer.html
Lumps (Internet). NHS, 2021. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lumps/
Mantle cell lymphoma (Internet). Macmillan Cancer Support. Disponível em: https://www.macmillan.org.uk/cancer-information-and-support/lymphoma/mantle-cell
Low Grade Lymphoma: What You Need To Know (Internet). Lymphoma News Today. Disponível em: https://lymphomanewstoday.com/low-grade-lymphoma/
Ladha, A., Zhao, J., Epner, E. M., Pu, J. J., Mantle cell lymphoma and its management: where are we now? (Internet). BMC, 2019. Disponível em: https://ehoonline.biomedcentral.com/articles/10.1186/s40164-019-0126-0
Abbasi, M. R., Sparano, J. A., Talavera, F., Besa, E. C., 2020. Mantle Cell Lymphoma (Internet). Medscape. Disponível em: https://emedicine.medscape.com/article/203085-overview
Non-Hodgkin Lymphoma Risk Factors (Internet). American Cancer Society.,2020. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/non-hodgkin-lymphoma/causes-risks-prevention/risk-factors.html
Active monitoring (watch and wait) (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-treatment-lymphoma/active-monitoring-watch-and-wait
Coping (Internet). Cancer Research UK, 2021. Disponível em: https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/non-hodgkin-lymphoma/living-with/coping
The emotional impact of living with lymphoma (Internet). Lymphoma Action, 2021. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-living-and-beyond-lymphoma/emotional-impact-living-lymphoma