Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

Quem é diagnosticado com Leucemia Mieloide Aguda pode pensar que o seu próprio corpo o atraiçoou. Pode sentir dores nos ossos e nas articulações. Perde-se o apetite. A pele pálida evidencia os hematomas que vão aumentando em tamanho e número. Esta doença do sangue é rara e agressiva, podendo progredir com rapidez se não for tratada de forma precoce. Lidar com o diagnóstico e com o tratamento da Leucemia Mielóide Aguda pode ser difícil, por isso é importante que fale com o seu médico para compreender o que pode fazer para se sentir bem.

O que é a Leucemia Mieloide Aguda (LMA)?

A Leucemia Mieloide Aguda é uma forma de cancro que decorre da mutação de células que residem na medula óssea. A medula óssea produz células jovens, as chamadas células mieloides, que por sua vez dão origem a glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Quando essas células precursoras mieloides fazem o seu trabalho, são substituídas por novas células. Porém, quando se tem Leucemia Mieloide Aguda (LMA), essas células mieloides replicam-se mais rápido do que o normal, ocupando espaço no corpo e impedindo que as células saudáveis forneçam oxigénio aos órgãos, combatam infeções ou curem lesões. Com a progressão da doença, essas células malignas podem espalhar-se para outras partes do corpo, sobretudo para o sistema nervoso, fígado, baço ou testículos, o que pode afetar gravemente a saúde do doente.

Existem vários subtipos de Leucemia Mieloide Aguda (LMA) que podem ser identificados através de alguns fatores, como o número de células sanguíneas saudáveis presentes, o seu tamanho e número, bem como alterações no ADN. Cada subtipo de Leucemia Mieloide Aguda (LMA) pode obrigar a um protocolo de tratamento diferente e ter influência no prognóstico geral da doença. Basicamente todos os subtipos de Leucemia Mieloide Aguda são causados por mutações no ADN, no entanto, algumas mutações são mais propensas à remissão da doença do que outras. Ao contrário de outros tipos de cancro do sangue, a progressão da LMA não é medida em estadios de doença.

Leucemia Mieloide Aguda (LMA): sintomas

A Leucemia Mieloide Aguda (LMA) é um cancro de crescimento rápido, o que significa que o doente pode começar a sentir alguns dos sintomas, ou mesmo todos, de forma relativamente rápida assim que a doença esteja instalada. Os sintomas da Leucemia Mieloide Aguda (LMA) são semelhantes a outras leucemias e podem incluir:

  • Fadiga
  • Fraqueza
  • Febre
  • Propensão a infeções/imunossupressão
  • Contusões e hemorragias fáceis e por períodos longos de tempo
  • Perda de peso
  • Dor articular e/ou óssea
  • Dificuldade respiratória
  • Gânglios com volume aumentado
  • Dor de estômago
  • Palidez

Estes são os métodos mais usados para se fazer o diagnóstico de Leucemia Mieloide Aguda:

  • Exame de sangue para fazer a contagem completa das células sanguíneas do corpo. No caso de Leucemia Mieloide Aguda, os níveis de oxigénio no sangue serão baixos, há um número anormalmente alto de glóbulos brancos e o sangue poderá ter problemas de coagulação.
  • Biópsia de medula óssea e mielograma para testar uma amostra dos tecidos moles do interior do osso com o intuito de encontrar eventuais sinais de cancro, através da contagem de glóbulos brancos ou da análise do ADN.
  • Exames de imagem médica,
    como raio-x, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou ecografia, não podem ser usados de forma isolada para diagnosticar a Leucemia Mieloide Aguda. No entanto, os médicos podem pedir este tipo de exames se suspeitarem que a LMA já atingiu órgãos vitais ou para identificar as melhores áreas para colher uma amostra de sangue ou de medula óssea.

Qual a incidência da Leucemia Mieloide Aguda (LMA)?

A LMA é a forma mais comum de leucemia, mas continua a ser uma doença hemato-oncológica extremamente rara, representando apenas 1% de todos os casos de cancro diagnosticados. Por isso, é difícil quantificar a sua prevalência, que segundo a Organização Mundial de Saúde, em 2012, era cerca de 351.965 casos em todo o mundo.

Atualmente, não é possível detetar a LMA antes dos primeiros sintomas. No entanto, existem fatores de risco que podem ajudar a identificar uma maior propensão para a doença[^3]:

  • Idade: Mais comum em pessoas com mais de 65 anos.
  • Género: Mais comum em homens.
  • Hábitos tabágicos: Mais comum em fumadores.
  • História médica e familiar: Maior risco para aqueles que já foram tratados com quimioterapia para outras formas de cancro ou têm histórico de outros distúrbios sanguíneos ou genéticos.
  • Exposição a elementos perigosos: Maior risco em caso de contacto contínuo com metais pesados, produtos químicos industriais ou radiação.

Cuidados e tratamento da Leucemia Mieloide Aguda

O tratamento para Leucemia Mieloide Aguda depende do subtipo da doença, da idade, estado de saúde, histórico familiar e eventuais infeções presentes ou mutações genéticas adicionais.

Por se tratar de uma doença de evolução rápida, os tratamentos devem ser agressivos e iniciados o mais cedo possível. Independentemente das especificidades da doença, os protocolos de tratamento seguem, geralmente, um processo de duas etapas:

  1. Terapia de indução de remissão: O objetivo é matar todas as células malignas presentes na medula óssea. Quando uma quantidade suficiente destas células for eliminada, e o nível de células sanguíneas saudáveis aumentar de forma favorável, considera-se que a Leucemia Mieloide Aguda está em remissão.
  2. Terapia pós-remissão:O objetivo é eliminar todas as células não saudáveis restantes que podem persistir e causar uma recidiva da doença.

Existem quatro tipos comuns de tratamento:

  1. Quimioterapia
  2. Radioterapia
  3. Quimioterapia com transplante de células estaminais
  4. Cuidados paliativos

Como cuidar de alguém com Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

O diagnóstico de uma doença hemato-oncológica rara pode ser uma experiência devastadora, e não há dúvida de que este será um momento difícil para quem descobre que está doente.

Se é familiar, cuidador ou amigo, é importante que possa assegurar conforto, apoio ou assistência sempre que possível. Ofereça-lhe boleia, acompanhe-o aos tratamentos ou encoraje-o a comer, mesmo compreendendo que possa não ter apetite. Talvez possa informar-se mais sobre a doença ou procurar possíveis ensaios clínicos.

Após o diagnóstico, é comum que o doente com Leucemia Mieloide Aguda seja sujeito a uma bateria de consultas e exames médicos, aumentando o seu stress físico e emocional. Nestes momentos, que podem ser um verdadeiro ponto de inflexão e marcar a entrada em fases depressivas, quem dá apoio pode ser uma verdadeira âncora de salvação ou a hélice que endireita o navio. Como familiar, cuidador ou amigo, nem sempre consegue tornar a luta pela sobrevivência mais fácil, mas pode torná-la menos solitária.

Perguntas para fazer ao médico sobre Leucemia Mieloide Aguda

A lista abaixo inclui exemplos de perguntas para ajudar a iniciar uma conversa com o seu médico. Podem surgir outras questões relevantes com base nos seus sintomas ou historial clínico que não estejam aqui listadas.

  • Que subtipo de LMA tenho?
  • Quais são as minhas opções de tratamento?
  • O que posso esperar após as primeiras sessões de tratamento?
  • O que posso fazer para aumentar as hipóteses de remissão da doença?
  • Quão comum é a recidiva da doença após remissão?
  • Quais são os efeitos secundários das diferentes opções de tratamento?
  • Que ensaios clínicos estão disponíveis para mim e como posso ter acesso?
  • Que mudanças de estilo de vida posso fazer para ajudar a aliviar os sintomas e diminuir as hipóteses de recidiva?
  • Quando devo iniciar o tratamento para aumentar as hipóteses de remissão da doença?
  • A Leucemia Mieloide Aguda tem cura?
  • ….

Janssen & Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

O objetivo da Janssen é alterar fundamentalmente a maneira como o cancro é entendido, diagnosticado e tratado. Comprometemo-nos em encontrar formas inovadoras de combater o cancro, neste caso em particular, os cancros do sangue. Os nossos principais esforços concentram-se em soluções de tratamento e prevenção.

Somos guiados pelo nosso compromisso com os doentes, trabalhando lado a lado com parceiros, profissionais de saúde e associações de doentes, para oferecer soluções baseadas em confiança e transparência.

Glossário

  • Células mieloides: Células com origem na medula óssea que, quando mutadas, causam LMA.
  • Plaquetas: Tipo de célula sanguínea que ajuda a curar lesões ao criar crostas ou formar hematomas.
  • Punção lombar: Procedimento em que um médico usa uma agulha para recolher líquido da medula espinhal.
  • Leucemia aguda: Tipo de leucemia que surge de repente e progride rapidamente.
  • Medula óssea: Tecido mole dentro do osso.

Associações de Doentes

Este website foi desenvolvido exclusivamente pela Janssen Pharmaceutica NV. As Associações de Doentes e as fontes listadas em baixo são meios de informação adicional e independente que lhe podem ser úteis. Os mesmos não estiveram envolvidos na criação deste website, nem têm qualquer responsabilidade em relação aos seus conteúdos.

APCL – Associação Portuguesa Contra a Leucemia

Site

Facebook

Instagram

Contacto: +351213422205

APLL – Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas

Site

Facebook

Instagram

Contactos:

+351225488000

+351914349313

ADL – Associação de Apoio aos Doentes com Leucemia e Linfoma

Site

Facebook

Contacto: +351913314944

Leukemia & Lymphoma Society (LLS)

A Leukemia & Lymphoma Society é uma organização sem fins lucrativos comprometida em combater as leucemias e linfomas através de mais investigação, educação, apoio e advocacia.

Dia Mundial dos Cancros do Sangue e Dia da Consciencialização para a LMA

Anualmente, no dia 28 de maio, instituições de todo o mundo organizam eventos, seminários e doações para apoiar doentes com cancro do sangue, como a Leucemia Mieloide Aguda. Existe também o Dia Mundial de Consciencialização da Leucemia Mieloide Aguda (LMA) que é celebrado todos os anos no dia 21 de abril.

Bibliografia

Abbasi, M. R., Sparano, J. A., Talavera, F., Besa, E. C., 2019. What is the prevalence of mantle cell lymphoma (MCL)? (Internet). Medscape. Disponível em: https://www.medscape.com/answers/203085-173653/what-is-the-prevalence-of-mantle-cell-lymphoma-mcl
Lymphoma and the lymphatic system (Internet). Macmillan Cancer Support. Disponível em: https://www.macmillan.org.uk/cancer-information-and-support/lymphoma/lymphoma-and-the-lymphatic-system
Mantle cell lymphoma (Internet). Cancer Research UK, 2020. Disponível em: https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/non-hodgkin-lymphoma/types/mantle-cell
Non-Hodgkin lymphoma (Internet). NHS, 2018. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/non-hodgkin-lymphoma/
Lymphoma and the immune system (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-what-lymphoma-immune-system/lymphoma-and-immune-system
Mantle cell lymphoma (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/types-lymphoma-non-hodgkin-lymphoma/mantle-cell-lymphoma
Lymph Nodes and Cancer (Internet). American Cancer Society, 2021. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/cancer-basics/lymph-nodes-and-cancer.html
Lumps (Internet). NHS, 2021. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lumps/
Mantle cell lymphoma (Internet). Macmillan Cancer Support. Disponível em: https://www.macmillan.org.uk/cancer-information-and-support/lymphoma/mantle-cell
Low Grade Lymphoma: What You Need To Know (Internet). Lymphoma News Today. Disponível em: https://lymphomanewstoday.com/low-grade-lymphoma/
Ladha, A., Zhao, J., Epner, E. M., Pu, J. J., Mantle cell lymphoma and its management: where are we now? (Internet). BMC, 2019. Disponível em: https://ehoonline.biomedcentral.com/articles/10.1186/s40164-019-0126-0
Abbasi, M. R., Sparano, J. A., Talavera, F., Besa, E. C., 2020. Mantle Cell Lymphoma (Internet). Medscape. Disponível em: https://emedicine.medscape.com/article/203085-overview
Non-Hodgkin Lymphoma Risk Factors (Internet). American Cancer Society.,2020. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/non-hodgkin-lymphoma/causes-risks-prevention/risk-factors.html
Active monitoring (watch and wait) (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-treatment-lymphoma/active-monitoring-watch-and-wait
Coping (Internet). Cancer Research UK, 2021. Disponível em: https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/non-hodgkin-lymphoma/living-with/coping
The emotional impact of living with lymphoma (Internet). Lymphoma Action, 2021. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-living-and-beyond-lymphoma/emotional-impact-living-lymphoma