Vírus Sincicial Respiratório (VSR)

Vírus Sincicial Respiratório (VSR)

Menos conhecido do que a gripe ou a COVID-19, o Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é a causa mais comum de infeções do trato respiratório inferior em bebés e crianças em todo o mundo. Também afeta idosos ou adultos com comorbilidades.

Infelizmente, o Vírus Sincicial Respiratório pode ser mortal. Ainda não há uma vacina contra este vírus e são poucos os tratamentos específicos disponíveis. A maioria dos sintomas de doença desaparece espontaneamente e em poucos dias.

O que é o VSR?

O Vírus Sincicial Respiratório (VSR) é um agente infecioso que, tal como a gripe, se transmite principalmente em surtos sazonais. Afeta os pulmões e as vias respiratórias, com sintomas semelhantes aos de uma constipação. Existem dois tipos de VSR, sendo possível ser-se infetado pelo vírus mais do que uma vez.

O Vírus Sincicial Respiratório é muito contagioso. Espalha-se através de gotículas respiratórias de uma pessoa infetada, quando esta tosse ou espirra, ou saliva. Pessoas assintomáticas também podem disseminar o vírus. O vírus pode ainda ser transmitido por via indireta, através do contacto com superfícies contaminadas, como brinquedos e maçanetas. O VSR espalha-se de forma especialmente rápida em escolas, creches, lares e casas de repouso.

Vírus Sincicial Respiratório: sintomas

Os sintomas da infeção pelo Vírus Sincicial Respiratório geralmente aparecem poucos dias após o contacto com o vírus, embora adultos saudáveis possam ser totalmente assintomáticos. Alguns adultos correm maior risco de infeção grave – sobretudo idosos, asmáticos, doentes com insuficiência cardíaca ou doença pulmonar obstrutiva crónica e imunodeprimidos.

Os sintomas do Vírus Sincicial Respiratório são semelhantes aos de uma constipação comum:

  • Corrimento e/ou congestão nasal.
  • Dor de garganta.
  • Dor de cabeça.
  • Tosse seca.
  • Febre.
  • Os bebés tendem a "balançar" a cabeça para a frente enquanto inspiram; também podem ficar agitados, irritados, ter menos energia ou sentir menos fome do que o habitual.

A infeção por VSR pode evoluir para formas mais graves, como bronquiolite ou pneumonia. Se tiver algum dos seguintes sintomas, deve consultar um médico imediatamente:

  • Respiração muito rápida (taquipneia).
  • Esforço para respirar com retração intercostal ou tiragem (notam-se as costelas a respirar).
  • Tosse que piora.
  • Asfixia ou vómito devido à tosse.
  • Pieira/chiadeira.
  • Cianose perioral (coloração arroxeada à volta da boca).

Qual a incidência do Vírus Sincicial Respiratório?

O vírus VSR é extremamente comum – a maioria das crianças com dois anos já o teve pelo menos uma vez. Geralmente, este vírus aparece em "estações" específicas – entre o outono e a primavera.
O VSR é a segunda principal causa de morte na infância em todo o mundo. Quase todas essas mortes ocorrem em países em desenvolvimento.

Os bebés que nascem em épocas do ano em que o Vírus Sincicial Respiratório está mais ativo correm maior risco de doença grave. Crianças mais novas – especialmente aquelas com menos de 6 meses ou com doenças associadas, como doenças cardíacas ou pulmonares – também apresentam maior risco de doença grave e morte.

A incidência da infeção por Vírus Sincicial Respiratório é de 3 a 7% em idosos saudáveis e até 10% em adultos de alto risco. Qualquer pessoa com um sistema imunitário debilitado ou com mais de 65 anos é considerada em maior risco.

Prevenção do Vírus Sincicial Respiratório

Embora seja quase impossível evitar o VSR, existem algumas dicas que podem ajudar a preveni-lo:

  • Lave as mãos com frequência.
  • Limpe as superfícies com sabão ou desinfetante.
  • Não partilhe talheres ou copos.
  • Evite tocar no rosto.
  • Se tiver sintomas de constipação, fique em casa e evite interagir ou beijar crianças de alto risco.
  • Tape a boca e o nariz se tossir ou espirrar.
  • Se estiver em maior risco (tiver mais de 65 anos ou for imunodeprimido), considere usar uma máscara facial quando estiver em espaços públicos fechados.
  • Se possível, evite levar crianças de alto risco para creches, especialmente durante as épocas em que o vírus está mais ativo.
  • Não fume perto do seu filho.

Vacinação e tratamento do Vírus Sincicial Respiratório

Não há uma vacina que possa ajudar a prevenir a infeção por Vírus Sincicial Respiratório. No entanto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou como prioritária a necessidade de uma vacina profilática.

O palivizumabe, uma terapêutica à base de anticorpos monoclonais, está disponível para a prevenção da doença grave associada ao VSR em alguns países, sendo recomendada em bebés e crianças de alto risco.

A maioria das infeções por Vírus Sincicial Respiratório é autolimitada, ou seja, desaparece de forma espontânea. Se for necessário recorrer a hospitalização, podem ser acionados cuidados de suporte como oxigénio suplementar.

Cuidar de alguém com Vírus Sincicial Respiratório

Há algumas coisas que pode fazer para ajudar:

  • Fale com um médico ou farmacêutico sobre os medicamentos mais adequados para ajudar o seu ente querido a controlar a febre ou dor.
  • Certifique-se que bebem líquidos suficientes.
  • Vigie-os de perto em busca de sinais de agravamento do seu estado de saúde.

Perguntas para fazer ao médico sobre VSR

A lista abaixo inclui exemplos de perguntas para o ajudar a iniciar uma conversa com o seu médico. Podem surgir outras perguntas relevantes com base nos seus sintomas ou histórico clínico que não estejam aqui listadas.

  • Estou/o meu filho está em maior risco de infeção grave?
  • É seguro para o meu filho frequentar uma creche?
  • Existem outras causas para estes sintomas?
  • Há algo que possa ajudar a aliviar os sintomas do vírus VSR?
  • Tenho de ter cuidados extra com o meu filho se eu não me sentir bem?

Janssen & VSR

Ainda não existe uma vacina ou um tratamento específico disponível para o VSR. Nesse sentido, estamos empenhados em encontrar soluções.

Combinamos a nossa paixão com a inovação para encontrar novos caminhos, que vão da prevenção ao tratamento, de forma a reduzir o risco associado a estas infeções.

Com os avanços alcançados nos últimos anos, esperamos que em breve a infeção por VSR seja tratável e não represente uma ameaça aos grupos de maior risco.

Glossário

  • Antiviral: Medicamento que combate um vírus.
  • Crianças em risco: Crianças com maior probabilidade de desenvolver doença grave se contraírem o VSR, como recém-nascidos e crianças com problemas cardíacos ou pulmonares.
  • Época do VSR: Época do ano em que as infeções por VSR são mais comuns.

Bibliografia

Abbasi, M. R., Sparano, J. A., Talavera, F., Besa, E. C., 2019. What is the prevalence of mantle cell lymphoma (MCL)? (Internet). Medscape. Disponível em: https://www.medscape.com/answers/203085-173653/what-is-the-prevalence-of-mantle-cell-lymphoma-mcl
Lymphoma and the lymphatic system (Internet). Macmillan Cancer Support. Disponível em: https://www.macmillan.org.uk/cancer-information-and-support/lymphoma/lymphoma-and-the-lymphatic-system
Mantle cell lymphoma (Internet). Cancer Research UK, 2020. Disponível em: https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/non-hodgkin-lymphoma/types/mantle-cell
Non-Hodgkin lymphoma (Internet). NHS, 2018. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/non-hodgkin-lymphoma/
Lymphoma and the immune system (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-what-lymphoma-immune-system/lymphoma-and-immune-system
Mantle cell lymphoma (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/types-lymphoma-non-hodgkin-lymphoma/mantle-cell-lymphoma
Lymph Nodes and Cancer (Internet). American Cancer Society, 2021. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/cancer-basics/lymph-nodes-and-cancer.html
Lumps (Internet). NHS, 2021. Disponível em: https://www.nhs.uk/conditions/lumps/
Mantle cell lymphoma (Internet). Macmillan Cancer Support. Disponível em: https://www.macmillan.org.uk/cancer-information-and-support/lymphoma/mantle-cell
Low Grade Lymphoma: What You Need To Know (Internet). Lymphoma News Today. Disponível em: https://lymphomanewstoday.com/low-grade-lymphoma/
Ladha, A., Zhao, J., Epner, E. M., Pu, J. J., Mantle cell lymphoma and its management: where are we now? (Internet). BMC, 2019. Disponível em: https://ehoonline.biomedcentral.com/articles/10.1186/s40164-019-0126-0
Abbasi, M. R., Sparano, J. A., Talavera, F., Besa, E. C., 2020. Mantle Cell Lymphoma (Internet). Medscape. Disponível em: https://emedicine.medscape.com/article/203085-overview
Non-Hodgkin Lymphoma Risk Factors (Internet). American Cancer Society.,2020. Disponível em: https://www.cancer.org/cancer/non-hodgkin-lymphoma/causes-risks-prevention/risk-factors.html
Active monitoring (watch and wait) (Internet). Lymphoma Action. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-treatment-lymphoma/active-monitoring-watch-and-wait
Coping (Internet). Cancer Research UK, 2021. Disponível em: https://www.cancerresearchuk.org/about-cancer/non-hodgkin-lymphoma/living-with/coping
The emotional impact of living with lymphoma (Internet). Lymphoma Action, 2021. Disponível em: https://lymphoma-action.org.uk/about-lymphoma-living-and-beyond-lymphoma/emotional-impact-living-lymphoma